Presidente da Goinfra, Pedro Sales, mentiu para a Justiça ao montar o “dossiê do calote”, diz dono da Terra Forte

O empresário Carlos Eduardo Pereira da Costa, dono da Terra Forte Construtora LTDA, disse que a conclusão obra na rodovia GO-230 entre Mimoso/GO e Água Fria/GO só foi paralisada por força de manobras do presidente da Goinfra, Pedro Sales.

De acordo com o empresário, Pedro Sales desde o primeiro dia de sua gestão faz “advocacia administrativa em favor da Construtora GAE”, segunda colocada na licitação.

Veja o que Carlos Eduardo disse à nossa reportagem:

“A GAE não venceu a licitação. Nós vencemos e implantamos 100% da rodovia. Realizamos 85% da obra. Não é justo ficarmos de fora na hora do pagamento. Chega a ser desumano, pois investimos muito na obra.

Os aditivos da GAE na duplicação das GOs 020 e 080 são superiores em valores e em percentuais aos de Mimoso. O áudio do diretor de obras dizendo que iria montar um relatório técnico de acordo com o combinado entre Pedro Sales e alguém do TCE, para prejudicar a minha empresa, é sério e coloca em cheque a seriedade do Tribunal, que, na minha opinião nunca participaria de qualquer ato que não fosse probo, republicano ou estritamente dentro da Lei e da legalidade.

Cabe a Pedro Sales apresentar o nome de quem está fazendo isso no TCE. Eu acredito 100% na integridade, responsabilidade, seriedade e probidade dos conselheiros.

O problema de tudo é que o presidente da Goinfra mentiu para a Justiça. Ele isse que não poderia nos pagar por causa da Covid-19. Isso é mentira: o dinheiro é recurso do BNDES e só pode ser usado na obra destinada.

Interessante é notar que ao convocar a GAE para concluir a obra ele não fala em Covid-19. A Goinfra mentiu para a imprensa ao dizer que realiza uma investigação rigorosa e disse que a Terra Forte foi alvo da Operação Decantação. A Terra Forte nunca foi alvo da Operação Decantação. Mas a GAE e seus sócios, para quem o presidente faz advocacia administrativa, sim, A GAE foi denunciada na Operação Decantação.”