Bolsonaro volta a criticar governadores e diz que auxílio emergencial permanente quebra o país

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar os governadores neste domingo (dia 2) em razão das medidas adotadas para combate à pandemia do novo coronavírus, e por defenderem a criação de um “auxílio emergencial permanente” de R$ 600 a trabalhadores informais. Em conversa com jornalistas em uma padaria do Lago Norte de Brasília, o presidente, que estava passeando de moto, disse ainda que o isolamento social e o fechamento do comércio prejudicaram a economia. Sem citar nomes, ele disse que o mesmo governador que defende a medida quebrou seu estado.

“Alguns [governadores] estão defendendo o auxílio emergencial indefinido. Esses mesmos governadores que quebraram seus estados. Só que por mês dá R$ 50 bilhões. Vou arrebentar com a economia do Brasil”, disse.

Bolsonaro também afirmou que autorizou o ministro da Economia, Paulo Guedes, a propor um novo imposto, mas sem aumento de carga tributária. Segundo ele, o novo tributo tem que ser compensado com a extinção de outro imposto ou desoneração. A declaração foi dada em uma padaria do Lago Norte, bairro nobre da capital federal. O presidente saiu de moto do Palácio da Alvorada, parou no comércio e depois retornou à residencia oficial.