Com Caiado, Goiás despenca 3 posições no Ranking de Competitividade

Goiás despencou três posições no Ranking de Competitividade geral e ficou fora da lista das dez unidades federativas mais competitivas do país, caindo da 10ª para a 13ª colocação. No desempenho fiscal, o estado caiu 16 posições e ocupa as últimas posições no país.

O Distrito Federal se manteve em terceiro, enquanto Mato Grosso e Mato Grosso do Sul ficaram na 5ª e 9ª posição, respectivamente.
O ranking analisa 69 indicadores distribuídos em dez áreas: sustentabilidade ambiental, capital humano, educação, eficiência da máquina pública, infraestrutura, inovação, potencial de mercado, solidez fiscal, segurança pública e sustentabilidade social.
Segundo o estudo, o desempenho do Distrito Federal, além de manter uma boa posição em educação e ser o Estado mais competitivo do Centro-Oeste, também foi puxado por avaliações positivas em potencial de mercado e no pilar capital humano, onde ocupa o 1º lugar em relação ao restante do Brasil.
Já Goiás enfrenta desafios, como retomar o equilíbrio fiscal, ocupando a 21ª posição no pilar de solidez fiscal, tendo caído 16 posições na edição deste ano, além de apresentar problemas na qualidade da infraestrutura estadual, ocupando a 22ª posição nesse pilar.
O Mato Grosso do Sul, de 2018 para 2019, subiu 2 posições, saindo do 7º lugar e alcançando a 5ª colocação no quadro nacional. Além de sua boa performance na área de educação, o estado também teve bom desempenho em infraestrutura e potencial de mercado, e melhorou exponencialmente no pilar de sustentabilidade ambiental.
Por fim, o Mato Grosso ocupa o 10º lugar no pilar de educação, o bom desempenho do Mato Grosso foi puxado pelas evoluções nos pilares eficiência da máquina pública e potencial de mercado. O Ranking também demonstra a melhora da performance do Estado no pilar de inovação. Ocupando a 17ª colocação em inovação em 2018, o Estado subiu nove posições em 2019.