“Bolsonaro manteve a postura. Quem se dobrou foi Caiado”, anota jornalista sobre elogios rasgados de Caiado a Bolsonaro

Cinco meses após romper com o presidente Jair Bolsonaro pela maneira como ele lidava com a pandemia e os ataques do presidente aos governadores, o goiano Ronaldo Caiado se desdisse e se rasgou para o antigo aliado, anotou o colunista Guilherme Amado, da revista Época.

Após os dois se encontrarem em evento em Caldas Novas (GO), e Bolsonaro voltar a andar sem máscara e a provocar aglomeração, Caiado não economizou afagos em seu perfil no Twitter:

 “Um homem simples, corajoso e determinado que segue os princípios que o moveram até o momento: o bem do povo brasileiro”.

Em março, porém, o discurso era outro. Ao anunciar seu rompimento com Bolsonaro na ocasião, Caiado pediu que o presidente tivesse respeito e parasse de minimizar a pandemia e afirmou, copiando Barack Obama:

“Na política e na vida, a ignorância não é uma virtude”.

Sua fala fazia menção a um pronunciamento de Bolsonaro em que chamou a Covid-19 de “gripezinha”.

Na época, o Brasil tinha apenas 77 mortos. Agora, já são mais de 120 mil óbitos em decorrência da doença.

Bolsonaro manteve a postura. Quem se dobrou foi Caiado.