Em Brasília e Goiânia, PCdoB é representado por mulheres que fogem de votações polêmicas

Parece diretriz de partido: tanto em Brasília quanto em Goiânia, o PCdoB é representado por mulheres que fogem do plenário na hora de participar de votações importantes.

Aos fatos: o Congresso Nacional votou ontem o pedido de cassação do deputado federal Natan Donadon (PMDB), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por formação de quadrilha. Duas das mais ilustres parlamentares da legenda de se ausentaram: Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Alice Portugal (PCdoB-BA).

Em Goiânia, meses atrás, a Câmara Municipal se reuniu para apreciar projeto de lei do prefeito Paulo Garcia (PT) que afrouxou o Plano Diretor de Goiânia. A votação foi tensa, mas não para vereadora Tatiana Lemos (PCdoB), que segundo informações de bastidores estava a quilômetros de distância, em São Paulo, fazendo compras.

Incrível a semelhança, não é?

Um adendo: Tatiana assinou e depois retirou a assinatura do requerimento que criaria a CEI dos Supersalários na Câmara.

Qual nome disso? Covardia?