Novo corredor da multa de Paulo Garcia; começa a instalação de 18 pardais na avenida T-63

Veja matéria de O Popular:

Corredor da T-63

Começa instalação de 18 pardais

Multas serão cobradas a partir de 2014. Primeiro aparelho foi colocado na esquina com a Couto Magalhães

Vandré Abreu 01 de novembro de 2013 (sexta-feira)

Os 18 equipamentos eletrônicos para a fiscalização de infrações de trânsito no corredor preferencial do transporte coletivo na Avenida T-63 começaram a ser instalados pela Prefeitura de Goiânia. O primeiro aparelho foi colocado no cruzamento com a Alameda Couto Magalhães, no Setor Bela Vista. A Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) deve finalizar a instalação dos equipamentos até dezembro, quando todos serão ligados.

Após isso, os motoristas passarão por uma fase educativa nos locais em que os aparelhos são instalados, que vai durar cerca de 30 dias. A fiscalização efetiva, com a autuação e cobrança de multas, ocorrerá apenas em 2014. Os equipamentos vão autuar infrações tal qual ocorre atualmente no Corredor Universitário, seja em relação às faixas do corredor preferencial dos ônibus quanto aos semáforos.

Fiscalização

Os pontos em que estarão os aparelhos de fiscalização foram determinados pelo Departamento de Projetos de Engenharia da SMT. Para se ter uma ideia, o trecho de apenas 2,5 quilômetros do Corredor Universitário conta com a fiscalização de 26 aparelhos atualmente. O Corredor da T-63 tem 5,7 quilômetros. No entanto, quando a fiscalização foi iniciada na Avenida Universitária havia apenas 19 equipamentos, número equivalente ao que estará na Avenida T-63.

Nos três primeiros meses de fiscalização eletrônica no Corredor Universitário, 22.063 infrações foram flagradas pelos equipamentos, uma média de 262 multas por dia. O número, segundo a SMT à época, é comum ao considerar que a via era uma novidade para os motoristas da capital. A maior parte das multas era por excesso de velocidade. A velocidade máxima permitida no trecho é de 60 quilômetros por hora (km/h). Desde maio, os agentes da SMT realizam a fiscalização no corredor da T-63.

Os aparelhos eletrônicos fazem parte do contrato da SMT com a empresa pernambucana Trana, firmado desde 2010 ao custo de R$ 19 milhões. A Trana é responsável por todos os equipamentos de fiscalização eletrônica na capital, tanto no fornecimento dos aparelhos quanto no recebimento dos dados das infrações, que são repassados para a SMT. De 2010 a setembro deste ano, a Prefeitura já empenhou cerca de R$ 22 milhões à Trana pelo serviço – mais de R$ 21 milhões já foram pagos.

Ciclovia

A concretagem da pista da ciclovia da T-63 deve ficar pronta até o fim da próxima semana. A Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semob) aguarda a entrega dos caminhões de concreto prometidos pela empresa fornecedora. O material deveria ter chegado ontem, mas a empresa pediu prazo até hoje. O titular da Semob, Luciano de Castro, calcula queserão gastos cerca de 20 caminhões de concreto para finalizar a primeira etapa da pista.

O trecho vai do Setor Parque Anhanguera até a Praça Wilson Sales, no Setor Nova Suíça. Já está finalizado o trecho até a transposição do Córrego Cascavel. Castro estima que, após a chegada do material, a pista da ciclovia fique pronta em quatro dias. “A gente deve conseguir usar até oito caminhões de concreto por dia lá”, calcula. Após a concretagem da pista, a Companhia Municipal de Urbanização (Comurg) fará o trabalho de urbanização e iluminação do local e a SMT, a sinalização.

A obra da ciclovia da T-63 foi iniciada em abril deste ano como parte do projeto do corredor preferencial do transporte coletivo na Avenida T-63, ao custo de R$ 11 milhões. A previsão de entrega desta primeira etapa também era para o aniversário de Goiânia, embora a obra estivesse parada desde jul