Prefeito Maguito se recusa a negociar com professores de Aparecida e greve da categoria completa 43 dias

A intransigência do prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (PMDB), continua a prolongar a paralisação dos servidores administrativos e professores do município, que já dura 43 dias.

A pauta da categoria é extensa: são 24 pontos, que incluem desde o pagamento do piso salarial previsto por lei até a atualização do valor do ticket alimentação dos funcionários. Mas um destes pontos é emblemático, e causa espanto a resistência do prefeito em aceitá-lo: eles exigem um canal aberto de diálogo com a administração, mas Maguito não quer conversa.

Os professores já fizeram de tudo para chamar atenção: queimaram pneus na BR-153, armaram barracas na porta da prefeitura e, por fim, acamparam no plenário da Câmara. Em todos os episódios, a resposta de Maguito foi estúpida: pela queima de pneus, aplicou multa ambiental. Contra a ocupação da sede do poder Legislativo, recomendou a reintegração de posse por via judicial.

Quem paga o pato pela teimosia do prefeito, bastante similar à do colega Paulo Garcia (PT), é mais uma vez o contribuinte, que deve se perguntar: se o dinheiro arrecadado com os impostos que pagamos não é usado para valorizar os professores, pra que é, então?

Difícil dizer.

[vejatambem artigos=” 46556,46554,46519,46439″]