AD

Motoristas se revoltam com sindicato pelego e anunciam greve no transporte coletivo

O caos reina em Goiânia na manhã seguinte às comemorações do Dia do Trabalhador. Motoristas do transporte coletivo entraram em greve e contrariaram o aceno dos dois sindicatos da categoria em favor de um acordo com as empresas.

Os motoristas exigiam reajuste de 19% no salário de R$ 1.325, aumento de 35% no ticket alimentação e de 20% em serviços complementares. A proposta já estava abaixo da planilha inicialmente reivindicada, há cerca de três meses, que era de 35% no ticket, 20% no salário e 25% no serviço complementar.

As negociações vinham se arrastando e hoje, na calada da madrugada, culminou em um acordo sinistro e mal explicado.

Os dois sindicatos acataram uma contraproposta muito, mas muito abaixo do que estava em pauta: 9% de reajuste salarial e 22% no ticket alimentação. Resultado: os motoristas desautorizaram os sindicalistas pelegos e mantiveram a paralisação.

Quem vai pagar o pato será, outra vez, o trabalhador.

Trabalhador que comemorou o seu dia ontem. Presentaço.

 

LEIA MAIS:

Motoristas se revoltam com sindicato pelego e anunciam greve no transporte coletivo

Goiás24Horas registra caos provocado por greve de motoristas na Praça da Bíblia

Empresas de transporte devem usar exigência de motoristas para justificar aumento de tarifa para R$ 3 em Goiânia