Paulo Garcia fica calado enquanto empresas do transporte mandam e desmandam na Capital

É estridente o silêncio do prefeito Paulo Garcia (PT) diante da grave crise que enfrenta o transporte coletivo de Goiânia. Há três meses motoristas e empresas tentam chegar a um acordo, e agora surge a suspeita de que os próprios empresários estão fomentando uma greve para justificar um reajuste de R$ 0,30 na tarifa.

O usuário é, naturalmente, a parte mais interessada nessa barafunda toda. Acontece que o ente responsável por defendê-lo, a prefeitura de Goiânia, não arbitra nada na crise. Deixa os empresários mandarem e desmandarem sem correrem o risco de perder a concessão.

Paulo Garcia (PT) revela-se, cada vez mais, um prefeito omisso. É crise atrás de crise.

 

LEIA MAIS:

Motoristas se revoltam com sindicato pelego e anunciam greve no transporte coletivo

Goiás24Horas registra caos provocado por greve de motoristas na Praça da Bíblia

Empresas de transporte devem usar exigência de motoristas para justificar aumento de tarifa para R$ 3 em Goiânia