Anistia de impostos: Iris perde queda de braço com oposição e é forçado a excluir milionários do programa

Sem líder, sem base e sem diálogo com a Câmara de Vereadores, o prefeito Iris Rezende (PMDB) foi obrigado a modificar o projeto que institui o programa de refinanciamento de dívidas com o município. Nesta quinta-feira, o secretário de Finanças, Oseias Pacheco, apresentou emenda que impede pessoas físicas e jurídicas com débitos maiores do que R$ 500 mil de participar do Refis.

Era tudo que Iris não queria, porque um dos principais objetivos da anistia era favorecer grandes empresas que abriram os cofres para o PMDB na época da campanha eleitoral.

O jornal Opção informa que, no novo Refis, quem tem até três imóveis e dívidas inferiores a R$ 500 mil poderão participar do programa, que oferecerá parcelamento em até 40 meses e remissão total de juros e mora. Além disso, os que participarem desta edição ficarão impedidos de renegociar dívidas por cinco anos.