Em artigo, dona Iris lembra das lutas, mas esquece de dizer que foi vetada nas campanhas do PMDB em 2002 e 2004 por ser apontada como uma das responsáveis pela derrota em 1998

Em artigo de meia página no sábado passado no Diário da Manhã, a primeira dama Iris Araújo cobra o reconhecimento de sua participação, decisiva, segundo ela, nas grandes lutas feministas e políticas do século passado.

Tudo bem, apesar de egocêntrica e superlativa nos autoelogios, vamos dar um crédito a ela.

Mas, dona Iris esquece um período importante de sua vida política entre os anos 1998 e 2004.

Ela foi considerada uma das responsáveis pela histórica derrota de seu marido Iris Rezende para Marconi Perillo em 1998 e, por causa disso, foi afastada das campanhas de 2002 e 2004.

Não apareceu em nenhum ato político neste período, constando que teria se mudado para o Rio de Janeiro.

Fica, aqui, o registro que ela esqueceu.