Qual jogo de Vilmar? Criticar próprios aliados para que o PSD seja bajulado e garanta espaço na base em 2018 ou apenas tumultuar grupo que integra desde 98?

Encerrando o ano e o secretário Vilmar Rocha dá uma entrevista bombástica ao jornal O Popular. Ao contrário de todos da base aliada, Vilmar desdenha da candidatura de José Eliton.

Para ele, o ciclo da base se esgotou e agora é necessário lançar um nome da “sociedade”, o chamado “outsider”.

O que espanta é que a declaração de Vilmar não colabora em nada com a base, já que na semana passada o governador Marconi garantiu novamente o projeto de Eliton para 2018.

A declaração de Vilmar não foi à toa, claro. Talvez seja um gesto rebelde para sinalizar que, se o PSD não tiver espaço grande na chapa da base, vai migrar para a oposição.

Ou talvez seja apenas para chamar atenção, como uma criança birrenta numa tarde de domingo.