Crise na SSP (2): Rodney Miranda não consegue firmar sua autoridade e é chamado de comandante TQQ (terça, quarta e quinta-feiras)

O secretário forasteiro da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de Ronaldo Caiado (DEM), Rodney Miranda, enfrenta uma profunda crise de autoridade. Dividido entre o eixo Goiás-Espírito Santo (sua terra natal), ele é chamado de Comandante TQQ, porque está em território goiano quase sempre somente às terças, quartas e quintas-feiras.

A falta de vínculo com o Estado, que o titular da SSP parece não fazer questão nenhuma de estabelecer, fragiliza sua voz de comando e faz dele, segundo oficiais, uma rainha da Inglaterra. Assim, quem acaba dando as ordens nas forças de segurança são os comandos das corporações e seus auxiliares. Uma panela de pressão prestes a explodir.

A falta de comando agrava as disputas internas, especialmente entre as alas caiadista e marconista. Na prática, a divisão foi estabelecida pelos policiais que apoiaram a candidatura de Caiado. O desembarque do demista no governo abriu caminho para que os novos comandantes segregassem os oficiais que lideraram equipes nas gestões de Marconi Perillo e José Eliton.

O problema é mais grave na PM, onde a estrutura hierárquica é forte e as disputas internas são naturalmente maiores, mas se espraia também para a Polícia Civil e para o Corpo de Bombeiros, ainda que em menor grau. Os efeitos da crise já impactam negativamente nos índices de criminalidade, que passam por uma escalada preocupante em todo o Estado.