Urgente: Boulos denuncia que governo Caiado entra sem mandado e faz ameaças de morte em acampamento de sem terras em Goiânia

Guilherme Boulos, candidato derrotado à Presidência da República, acusou o governo Ronaldo Caiado (DEM) no Instagram de entrar sem mandado em acampamento sem-terra em Goiás e fazer ameaça de morte a trabalhadores rurais. Confira.

View this post on Instagram

GOVERNO CAIADO ENTRA SEM MANDADO E FAZ AMEAÇAS DE MORTE EM ACAMPAMENTO DO MTST EM GOIÂNIA – Perguntado por mandado judicial, sargento da PM exibe fuzil e ameaça de morte um coordenador dos sem-teto – A Polícia Militar de Goiás, do governo Caiado, fez uma incursão na noite desta quinta-feira o acampamento Fidel Castro, do MTST Goiás, causando terror e fazendo ameaças aos moradores e ao coordenador da ocupação. A ofensiva policial começou por volta das 23h45. Quando o responsável pela ocupação, perguntou se a PM tinha um mandado judicial, o sargento Antunes e outro PM foram à viatura e empunharam fuzis. “Aqui está o meu mandado. Fala alguma coisa de novo”, teria dito o policial, em tom de ameaça, segundo testemunhas. Os policiais seguiram para dentro do acampamento, aos gritos, exigindo que o coordenador mostrasse seus documentos. Segundo o relato, o sargento teria pedido para levantar a ficha do coordenador, fazendo novas intimidações: “puxa a ficha desse folgado que não respeita a polícia”. E, depois, completou: “não se meta com a polícia não”. A consulta foi feita, constatando que não havia qualquer pendência. O sargento Antunes pediu para que todos se afastassem e, então, fez novas ameaças, mais ao pé do ouvido. “Eu sou acostumado a matar bandido. Quem é você para se meter comigo? Se falar alguma coisa, eu volto aqui depois, te levou para dentro de um barraco e meto um monte de bala na sua cara. Se não for eu, vem outro porque a polícia é grande”, disse o policial, segundo o coordenador do MTST. “A violência policial do governo Caiado não pode ficar impune e passar em branco”, afirma Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST. “Não é a primeira ameaça que sofremos, mas não tenho dúvidas de que a postura e os atos do presidente Jair Bolsonaro, todos no sentido de criminalizar os movimentos sociais, são lidos como uma carta branca para a truculência do Estado”. AMEAÇA APÓS O DECRETO DAS ARMAS Em janeiro, a desembargadora Marilia Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, fez uma postagem nas redes sociais, depois do decreto presidencial que flexibilizou a posse de armas, ameaçando Boulos. No post, exibindo uma foto do candidato

A post shared by Guilherme Boulos (@guilhermeboulos.oficial) on