Secretária forasteira lê colinha e fala “O Goiás” é rico. Aí é demais. “O Goiás…”, não

Além do carioquês carregado, a supersecretária forasteira de Economia, Cristiane Schmidt, também insistiu em botar artigo definido masculino antes do nome do nosso Estado – que ela não conhece. Dizer que “O Goiás” isso, “o Goiás” aquilo é um massacre aos nossos ouvidos.

Ela lia uma colinha na apresentação, mas nem isso adiantou.