Efeito Caiado e Cristiane Schmidt: Mitsubishi demite 200 trabalhadores e há especulação de que pode seguir o caminho da Ford em SP e fechar a fábrica de Catalão

Diante ameaças do governador Ronaldo Caiado de corte dos incentivos fiscais, a Mitsubishi de Catalão pisou no freio e começou a cortar despesas e rever sua política de expansão em Goiás.

Nesta terça-feira (12), a direção da multinacional desligou 200 trabalhadores, segundo o Sindicato se Metalúrgicos de Catalão (Simecat), que fez uma grande manifestação de protesto no pátio da empresa, marcada com queima de pneus.

Diante ameaças do governador Ronaldo Caiado de corte dos incentivos fiscais, a Mitsubishi de Catalão pisou no freio e começou a cortar despesas e rever sua política de expansão em Goiás.

Nesta terça-feira (12), a direção da multinacional desligou 200 trabalhadores, segundo o Sindicato se Metalúrgicos de Catalão (Simecat), que fez uma grande manifestação de protesto no pátio da empresa, marcada com queima de pneus,

De acordo com o Simecat, a previsão para os próximos dias é de mais de 60 desligamentos.

De acordo com o Simecat, a previsão para os próximos dias é de mais de 60 desligamentos.

A Mitsubishi emprega diretamente cerca de 4 mil trabalhadores trabalhadores, sem contar o empregos indiretos. A multinacional não está nem pouco satisfeita com o governador Ronaldo Caiado e com a secretária de Economia, Cristiane Schmidt.

No bastidores, já admite desativar a fábrica de Catalão, como a Ford em SP.