Deu no G1 Goiás: jornalista acusa Krebs de perseguição e quer saber qual deputado indicou a esposa do promotor para cargo comissionado na Assembleia

Ao rebater as acusações feitas contra seu blog pelo promotor Fernando Krebs, veiculadas pela TV Anhanguera, o jornalista Cleuber Carlos afirmou que não reconhece autoridade moral em Krebs.
 
Cleuber assinala que é vítima de perseguição pessoal e quer saber qual deputado indicou a mulher do promotor para cargo comissionado na Assembleia Legislativa. A resposta de Cleuber foi publicada no G1 Goiás.

 
“Primeiro não reconheço autoridade moral do sr. Fernando Krebs para usar o Ministério Público para fazer perseguição pessoal, pois o mesmo move duas ações na pessoa física dele contra a pessoa física deste jornalista”, anotou Cleuber.
O jornalista disse que, sendo pessoalmente seu inimigo declarado, não é moral um promotor usar de seu cargo para resolver questões pessoais. “A denúncia de Fernando Krebs é mentirosa, caluniosa e tem por objetivo apenas interesses pessoais e nenhum interesse público.”

 
No texto, Cleuber faz menção à esposa do promotor que, segundo ele, foi nomeada como servidora comissionada da Assembleia Legislativa. 
 
“Ele agora pergunta pergunta quem estaria me pagando para criticar o atual governo, deixando clara sua intenção política com sua denúncia. Eu também quero saber quem está pagando o senhor Fernando Krebs para me perseguir,  como  também quero saber qual deputado indicou a esposa dele para ocupar cargo comissionado na Assembleia Legislativa? 

Leia íntegra da nota que o jornalista Cleuber Carlos enviou à TV Anhanguera e foi publicada no G1 Goiás:

“Primeiro não reconheço autoridade moral do sr. Fernando Krebs para usar o Ministério Público para fazer perseguição pessoal, pois o mesmo move duas ações na pessoa física dele contra a pessoa física deste jornalista. Sendo pessoalmente meu inimigo declarado. Não é moral um promotor usar de seu cargo para resolver questões pessoais. Além disso a denúncia de Fernando Krebs é mentirosa, caluniosa e tem por objetivo apenas interesses pessoais e nenhum interesse público. A denúncia usa dados falsos para tentar justificar superfaturamento já que diz claramente que o blog só tem 7 mil acessos mensais quando possui comprovadamente mais de 100 mil acessos por mês, o que por sim só já derruba a tese de superfatuamento. O promotor mente também nos valores que diz que o blog recebeu do Detran demostrando incompetência ou má fé. O blog jamais recebeu verba direta do Detran. Sempre o contato foi com as agências de propaganda. Mais uma vez mostrando a tital incompetência do referido promotor para ocupar um cargo de tamanha importância já que ele mente descaradamente em sua denúncia forjada. Quem tem que participar de licitação não são os veículos de comunicação e sim as agências. Será que o promotor é tão incompetente que não sabe disso ou ele apenas usou de má fé para inventar a denúncia? Nunca recebi verba do governo de forma direta. A mídia que chegava para mim era a mesma enviada para todos os veículos de comunicação. Por último não compete ao promotor definir a linha editorial de nenhum veículo de comunicação. Primeiro ele alegava que eu recebia dinheiro para falar bem do governo, agora pergunta quem estaria me pagando para criticar o atual governo, deixando clara sua intenção política com sua denúncia. Eu também quero saber quem está pagando o senhor Fernando Krebs para me perseguir como quero saber qual deputado indicou a esposa dele para ocupar cargo comissionado na Assembleia Legislativa? Reafirmo não reconheço no promotor Fernando Krebs, meu inimigo pessoal, estatura moral para me questionar. A primeira ação dele neste sentido não encontrou respaldo na justiça e ele certamente terá que responder a mais uma representação por sua conduta junto ao Conselho Nacional do Ministério Público.”