“Embora eleito legitimamente, Iris não tem o perfil do gestor de que Goiânia precisa: não é moderno e não gosta planejamento  – palavra que lhe causa irritação”

Câmara de Vereadores

 

Goiânia arrumou um problemão: “O nosso prefeito Iris Rezende — legitimamente eleito, é bom frisar — não tem o perfil do gestor que os goianienses tanto precisam. Iris não é moderno. Iris não é antenado com a modernidade. Iris não gosta de planejamento — aliás, nas poucas vezes em que esse termo aparece em suas falas, é indisfarçável que lhe causa certa irritação”.

É o que escreve o competente repórter Cezar Dias, em análise na edição deste domingo do Jornal Opção, na qual faz um balanço dos dias iniciais de Iris no comando da Prefeitura de Goiânia e conclui que, “para contemplar o anseio dos goianienses, Iris Rezende terá de se reinventar. O tradicional Iris Rezende, apegado às velhas práticas políticas, terá de abrir a cabeça e o coração: não há mais espaço para um gestor apenas tocador de obras, que faça muito asfalto de baixa qualidade, como o peemedebista fez em seus mandatos passados”, diz.

Acrescenta Cezar Dias: “Goiânia quer e precisa de gestão moderna, não só de um gerente capaz de limpar as ruas, fazer tapa-buracos, cuidar da iluminação e coisas assim do dia a dia. Repita-se, isso nada mais é do que o básico. O que precisamos é de administração avançada, que não descuide das tarefas do cotidiano, mas que otimize o atendimento à saúde, que oportunize mais e melhor acesso à educação. E, ao mesmo tempo, tenha foco no futuro. E foco no futuro é imprimir gestão capaz de dinamizar a economia, de forma a gerar empregos e aumentar a renda dos goianienses. E, novamente, sabemos o que Iris pretende fazer nessa direção”.