Fabiana e Cileide entrarão para a história de O Popular como as coveiras da edição impressa

As jornalistas Cileide Alves e Fabiana Pulcineli, respectivamente articulista e repórter especial de O Popular, pertecem a uma safra brilhante de profissionais que transformou o jornal em um veículo de grande influência, com poder suficiente para encurralar empresários, influenciar promotores e magistrados, derrubar secretários, emparedar políticos e cassar mandatos.

Em 2012, quando Cileide havia acabado de chegar ao comando de O Popular e Fabiana se sagrava a principal repórter de política de Goiás, elas se uniram no esforço para fazer com que a Operação Monte Carlo desaguasse no impeachment do então governador Marconi Perillo (PSDB). Com o apoio da família Câmara, a linha editorial beligerante contra o tucano levou O Popular ao seu patamar de maior prestígio.

Curiosamente, 2012 é considerado o primeiro ano do fim de O Popular. Por duas razões básicas, afirmam analistas da decadência do jornal. A primeira, é a de que, no campo editorial, Cileide e Fabiana erraram na dose de política e fizeram o doce desandar. E isto não pela contundência da cobertura, mas porque confundiram os ofícios: deixaram de fazer jornalismo para, elas mesmas, fazerem política.

A segunda razão é mais técnica. O ano de 2012 foi marcado por uma fortíssima guinada do uso da internet no Brasil, como resultado de anos anteriores de popularização da banda larga, da tecnologia 3G, do aumento do número de smartphones e forte crescimento das redes sociais. Segundo os analistas, O Popular perdeu o bonde dessa imensa revolução, em boa parte justamente porque estava entretido com a pauta política.

2012 acabou, Marconi foi inocentado, anos depois Cileide foi retirada do comando da redação e depois demitida, Fabiana prosseguiu (mas com perda crescente de prestígio) e o estrago da “distração” ficou. Cileide acaba de voltar para O Popular, agora como uma simples articulista. Reencontrou Fabiana, mas em um jornal em crise financeira e editorial e com a família Câmara alinhada ao governo Ronaldo Caiado.

Depois de comandar a época de ouro do jornal, Cileide e Fabiana estão prestes a pegar seus crachás de coveiras de O Popular.