Reação do setor cultural atesta: desmonte no Fica é um baita tiro de Caiado no próprio pé, com estragos irreversíveis

Apesar do amplo portifólio de realizações no setor cultural, é sabido que o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) nunca foi uma unanimidade entre artistas e produtores. Intrinsecamente crítico, o segmento não se atrela a governantes de plantão, e com o tucano não foi diferente: sempre houve beligerância entre eles.

O governador Ronaldo Caiado (DEM), por sua vez, é provavelmente uma unanimidade no segmento cultural, mas ao contrário – é visto como avesso à cultura, um símbolo do passado atrasado de Goiás. Agora, ao deixar no limbo a realização do Fica 2019 (Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental), Caiado sacramenta a percepção que o segmento tem dele.

O desmonte do Fica é uma baita tiro no pé político, talvez o mais destrutivo até agora.

Nas reuniões para tratar da realização do festival de forma independente, artistas e produtores partilham a percepção de que Caiado e Marconi podem polarizar os embates que bem quiserem, mas que “usar o setor cultural como munição é uma covardia que o tucano nunca praticou”.