Cileide Alves se irrita com manifestantes e diz que ataque à imprensa é “pesadelo”. Não é

Em mensagem postada na sua conta no Twitter, a editora-chefe de O Popular, Cileide Alves, mostra desorientação e não cede na direção de uma autocrítica – o jornal vem ignorando completamente que as manifestações, não só em Goiás, como em todo o Brasil, também tem como alvo a grande imprensa.

Ela diz que os ataques que a imprensa vem sofrendo na rua são “pesadelo”.

Não são. Na verdade, são sintomas de que há algo de muito errado na cobertura da imprensa, que não pode se distanciar da sociedade e se isolar numa torre de vidro para “comentar” o mundo.

A tuitada de Cileide mostra que permanece, nos jornalistas do POP, o sentimento de que constituem uma equipe pairando sobre a realidade, escolhendo o que informar à população e como informar, respaldada por uma indiscutível credibilidade moral.

Os protestos de rua estão mostrando que não é bem assim.

O Popular é o primeiro jornal impresso do país a ser alvo concreto dos manifestantes, que depredaram na noite desta segunda-feira um veículo com a logo do Grupo Jaime Câmara e do jornal.

Dá o braço a torcer, Cileide.

Veja a tuitada dela:

 

Cileide Alves @Cileidealves 2 min

Imagino essas pessoas que atacam a imprensa fazendo jornalismo. Já vimos esse filme antes, ou melhor esse pesadelo

 

LEIA MAIS:

Imprensa é autista, vive em universo paralelo e por isso se tornou alvo dos protestos. Veja mais uma prova

Entender os protestos é osso duro de roer. Bem que O Popular, nesta sexta, tenta, mas…

Até colunista social faz média com os protestos. Mas eles também são alvo

Jornalistas fingem que protestos nada tem a ver com eles. Mas vão ter de fazer autocrítica também

Cileide faz a lista de alvos das manifestações e se esquece de incluir a “grande imprensa”

Vídeo: veja Fabiana Pulcineli falando, falando e não dizendo nada sobre a manifestação em Goiânia

Alô Cileide, Karla, Fabiana, Zarur, Aesse e colegas: protestos são também contra a grande imprensa, não vão falar nada?