Sindsaúde irá ao MPT para obrigar Iris a dar condições de trabalho aos agentes de saúde de Goiânia

Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que atuam no município de Goiânia enfrentam obstáculos que comprometem o bom desempenho desses profissionais. Muitos deles são colocados em função diferentes do cargo que ocupam. Outra dificuldade é a quantidade de vezes exigida para que esses trabalhadores registrem o ponto. O Sindsaúde pretende ir ao Ministério Público do Trabalho para discutir a situação.

Na última sexta-feira (9), diretores do Sindsaúde se reuniram com os agentes na Câmara Municipal. Os trabalhadores relataram diversas dificuldades sendo a principal delas, a exigência da prefeitura que passou a vigorar com a Portaria 010 para que esses trabalhadores registrem o ponto quatro vezes ao dia. A medida obriga os trabalhadores a se deslocarem grandes distancias até a sua respectiva unidade saúde para esta finalidade.

Segundo o diretor do Sindsaúde, Leocides de Souza, a situação é ainda mais incoerente porque esses trabalhadores que realizam todo o trabalho a pé, têm apenas uma hora de almoço.  “E dependendo do local onde está o agente, se torna quase inviável o registro do ponto no horário correto e o alcance das metas”.

Os profissionais expuseram ainda que muitas vezes recebem ordem para fazer o trabalho de recepcionista nas unidades de saúde. O motivo seria a falta de funcionários. Também falta computadores para cadastrar as fichas de visita. “Eu tive que comprar um computador. Agora faço essa parte do trabalho em casa” relatou uma servidora.

Assembleia

Além das demandas apresentadas, o Sindsaúde reivindica a correção da gratificação de produtividade, auxílio de difícil acesso, vale-transporte e plano de carreira. Uma nova assembleia ficou agendada para o dia 15 de agosto, às 14h, no Paço Municipal.