“Educação em Goiás ficará prejudicada com diminuição constitucional de investimentos”, diz Lêda Borges

Educação em Goiás ficará ainda mais caótica caso diminuição constitucional de gastos seja aprovada na Assembleia Legislativa (Alego). É isto que acredita a deputada estadual Lêda Borges (PSDB).
A tucana é contrária à emenda de autoria do deputado Amilton Filho (SD) e atende a pedido do governador Ronaldo Caiado (DEM), o qual solicita a inclusão dos recursos da Universidade Estadual de Goiás (UEG) dentro dos 25% constitucionais gastos obrigatoriamente com Educação. Hoje, a instituição está na pasta de Ciência e Tecnologia e o gasto é de 2% do orçamento, não entrando na conta 25% da UEG.
“Os 25% geral já não eram suficientes para a rede de Ensino. Com a diminuição ficará ainda pior. A diminuição implicará em consequências negativas não só para o Ensino Superior, mas também à Educação Básica e Institutos Tecnológicos”, pontuou.
Lêda Borges criticou a medida de colocar 2% da UEG nos gastos com a Educação Básica. “Quando você anexa esse percentual dentro dos mesmos 25% você está deixando de investir. Você está diminuindo na Educação. Isso é muito grave. Nós somos contrários”, disse.