Tesouro Nacional dá a Luziânia, do prefeito Cristovão Tormin, a maior nota entre todas as cidades da RIDE

Para desespero da oposição, que continua trabalhando na tentativa de prejudicar a administração do prefeito Cristóvão e, consequentemente, todo o município de Luziânia, dados do Tesouro Nacional comprovam que a cidade é a que apresenta os melhores resultados entre todas as 34 cidades que compõem a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Mais um ponto positivo para a gestão de Cristóvão.

Luziânia se classifica melhor até que o próprio Distrito Federal, que ainda sequer conseguiu apresentar os dados necessários para a avaliação de Capacidade de Pagamento (Capag) do Tesouro Nacional.

Das cidades que prestaram contas, a pior é a cidade de Niquelândia, com nota D, dívida consolidada líquida de 168,95% e gastos com despesas com pessoal de 67,55%.

O Distrito Federal e os municípios Cavalcante, Corumbá de Goiás, Mimoso de Goiás, Pirenópolis, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto, São João d’Aliança, Simolândia e Vila Boa não prestaram todas as contas necessárias e por esse motivo não puderam ser avaliados.

Confira a planilha com o ranqueamento da classificação dos municípios:

 

A metodologia do cálculo, dada pela Portaria MF nº 501/2017, é composta por três indicadores: endividamento, poupança corrente e índice de liquidez. Logo, avaliando o grau de solvência, a relação entre receitas e despesas correntes e a situação de caixa, faz-se diagnóstico da saúde fiscal do Estado ou Município. Os conceitos e variáveis utilizadas e os procedimentos a serem adotados na análise da Capag foram definidos na Portaria STN nº 882/2018.