Associação da Parada Gay de Goiânia espera 100 mil pessoas na manifestação de domingo

A XXIV edição da Parada do orgulho de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexuais – LGBTI de Goiânia acontecerá no dia 8 de setembro de 2019, a partir das 12 Horas, na Praça Cívica da Capital. O tema deste ano é “50 anos da Revolta de Stone Wall Inn. Mais Democracia e Direitos”.
A Organização está a cargo da Associação da Parada de Goiânia – APOLGBTGYN em parceria com O fórum de Transexuais de Goiás – FTG, Grupo Eles por Eles, Forum de Transexuais de Goiás e Associação de Cidadania e Direitos Humanos. A Manifestação social conta com o apoio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos da Prefeitura de Goiânia – SMDHPA e Defensoria Pública do Estado de Goiás – DPE .
Para Isabel Cristine, presidenta da Associação da Parada , “ Além de relembrar 50 anos de luta do movimento LGBTIQ, reivindicamos também mais democracia e mais direitos no Brasil. Queremos conselhos contra a discriminação no município, estado e na união. Somos 250 mil LGBTIQ na

cidade, cerca de 15% da população, pagamos impostos, queremos emprego, carteira assinada, saúde, educação, assistência social, moradia e direito de viver sem nenhuma violência, especialmente a policial.”
A parada homenageia o STF por ter criminalizado a Homofobia, a DPE- GO Goiás por dar a proteção as LGBTIQ, a SMDHPA por apoiar colocando um trio da prefeitura, banheiros químicos e leques, Marina Sant Anna , ex vereadora por ter realizado a primeira audiência pública contra Homofobia e Transfobia e Onaldo Pereira, o fundador da primeira parada há 24 anos.
Ao mesmo tempo a parada vai comemorar os 50 anos da Revolta do bar Stone Walll in, que representa um marco no movimento LGBTI. Em 28 de Junho de 1969 , um grupo de travestis, transexuais, Gays e lésbicas não aceitou mais a extorsão e agressão feita pela polícia num bar da comunidade e partiu pro enfrentamento nas ruas. A data é lembrada como o dia do orgulho LGBTIQ .
Os organizadores esperam também muita manifestação contrárias ao Governo Bolsonaro tendo em vista que ele é visto pela comunidade como alguém que está fomentando o discurso de ódio e preconceito contra os LGBTI . A Ministra dos Direitos Humanos, Família e da Mulher, Damares Alves também deverá receber contrariedade na parada, tendo em vista que acabou com o Conselho e Conferencia Nacional LGBTI e vem empoderando Homofóbicos e Transfóbicos na pasta que controla.

Em Goiânia a primeira parada foi realizada há 24 anos, com nove Gays na Praça Cívica e a última edição já contava com quase 50 mil participantes. Na sexta-feira, 06 de Setembro, a ARTONG realizará no estacionamento do Mutirama a Feira Cultural com apresentações artísticos-culturais de LGBTI relembrando os 24 anos de parada e cobrando o fim da Homofobia e Transfobia.
Além da carreta oficial, outros quatro trios de médio porte desfilarão pelas avenidas Araguaia, Paranaíba e Tocantins. A Concentração está prevista para as 12 Horas, as falas políticas ocorrerão a partir das 16 horas, e a caminhada as 17h00, com previsão e chegada final as 20h30 e dispersão até as 22 horas.
Haverá diversas alas. Desde a de abertura com 24 lésbicas, gays, bissexuais, mulheres transexuais, travestis , homens trans. e queers, mães de LGBTIQ, meio ambiente, saúde, coró de pau, defensoras e defensores dos direitos humanos, Lula Livre, Marielle Vive, População de rua, migrantes, pessoas com deficiência, entre outros.
A DPE colocará a tenda dos Direitos Humanos que funcionará das 12 as 22 Horas, na praça cívica, com representantes do Ministério Público, OAB, Corregedoria da Policia, Universidades, ONGs LGBT prestando serviços a comunidade. Serão distribuídos 40 mil preservativos e realizados 200 testes de HIV.

Um grupo de voluntários, entre policiais e membros da sociedade civil fará a segurança com drones , celulares e com inteligência LGBTIQ para impedir que ocorra qualquer violência, inclusive da Polícia Militar contra manifestantes.
Serviço
XXIV Parada LGBTI de Goiânia 08.09.2019
12 Horas
Praça Cívica