Presidente da Saneago é sabatinado na Assembleia sobre projeto que prevê venda de ações da empresa, mas não convence deputados

A Comissão Mista recebeu o presidente da Saneamento de Goiás (Saneago), Ricardo Soavinski, após a sessão ordinária desta terça-feira, 15, para discussão do projeto de lei da Governadoria, inscrito no processo de nº 5920/19, que permite ao Executivo estadual realizar ofertas públicas de até 49% das ações da empresa. A reunião, que ocorreu no auditório Solon Amaral, foi transformada em audiência pública pelo presidente da comissão, Karlos Cabral (PDT). O relator do projeto, Álvaro Guimarães (Democratas), afirmou que seu parecer será dado após discussões com o presidente da companhia e audiências públicas que estão previstas ao longo da semana.

Durante a sabatina, os deputados questionaram sobre como seria realizado a venda das ações, o destino das verbas adquiridas com a oferta pública e as garantias que o Governo estadual daria para que os serviços de saneamento no estado fossem mantidos. Os deputados demonstraram preocupação com a venda, temendo uma perda na qualidade do serviço prestado pela companhia e sobre os valores arrecadados que, segundo o presidente da Sanaeago, é de responsabilidade do acionista majoritário, neste caso, o governo de Goiás.

Ricardo Soavinski esclareceu que, apesar da venda das ações da Saneago, o comando ficará com o Governo, que será detentor de 51% das ações da empresa. “Não é privatização. O comando fica com o Estado”, disse ele.

Ele explicou que ainda não é possível prever se o dinheiro da venda das ações vai ser investido em sua totalidade na empresa, pois isto vai depender da necessidade de que isso seja feito. “Não adianta botar recursos numa empresa mais do que ela precisa. Vai depender dos estudos que serão feitos. Esses recursos poderão ser aplicados numa outra área”, disse.

Sobre o atendimento a regiões que ainda não contam com saneamento, Soavinski afirmou que a empresa criou um programa de apoio a comunidades isoladas. Ele explicou ainda que os resultados financeiros positivos que vêm sendo apresentados pela empresa não são consequência da falta de investimentos, mas sim porque ela se tornou mais eficiente.

O executivo esclareceu ainda que a venda efetiva das ações, a oferta inicial, somente será realizada com a lei aprovada e todos os problemas da empresa solucionados. Segundo ele, as ações estarão disponíveis a qualquer um que queira comprar.

De acordo com ele, a Saneago está presente hoje em 226 municípios goianos dos 246 existentes, atendendo cerca de 6 milhões de pessoas com água tratada, além de oferecer o serviço de coleta de esgoto a 60% da população.

O forasteiro falou muito, mas não convenceu os deputados.