Reforma de Caiado na Previdência: servidores não podem pagar essa conta, protesta Sindipúblico

O governador Ronaldo Caiado se reuniu, na tarde de ontem (17), com deputados e representantes dos poderes legislativo e judiciário para discutir a reforma previdenciária do estado. O projeto deve ser enviado para tramitação na Assembleia Legislativa (Alego) na próxima segunda-feira (21.)

O Sindipúblico entende que a discussão é necessária, mas deve acontecer de maneira que inclua todos os envolvidos, tendo em vista, que na reunião, foram deixados de fora os representantes do poder executivo que serão os mais afetados com as possíveis medidas.

A proposta de reforma tem, dentre outras, à medida que prevê autorização para que o governo e demais poderes apliquem, sobre os vencimentos dos servidores públicos, uma alíquota extra, no caso de déficit previdenciário no estado. Atualmente, já são pagos 14,25% e a nova alíquota poderá variar até 8% a mais, de acordo com a faixa salarial dos servidores.

O governo alega existência de déficit de R$2,9 bi. somente no ano de 2019. O Sindicato compreende que o déficit existe e deve ser eliminado, mas, não é o servidor que deve pagar por essa conta. O Presidente Nylo Sérgio explicou, em entrevista para o Portal Mais Goiás, que é preciso discutir novas alternativas e, disse ainda, que vai lutar contra injustiças.

“Há milhares de contratos temporários que não contribuem com o fundo previdenciário, por exemplo. O Estado também deixa de arrecadar mais de R$ 8 bi anualmente com incentivos fiscais a grandes empresas. Não é justo o servidor arcar com isso (…) Mas adianto que vamos lutar contra injustiças e prol dos nossos direitos”, concluiu.” Concluiu, Nylo Sérgio.