Aidar defende projeto que acaba com o ‘exagero fiscal’ do crédito-moeda para empresários tubarões

O relator da CPI dos Incentivos Fiscais, deputado Humberto Aidar (MDB), atraiu a ira dos empresários tubarões da Adial e do Fórum Empresarial ao protocolar um série de projetos que cortam exageros e restringem a concessão de incentivos fiscais em Goiás.

O último deles foi o que revoga o uso do crédito-moeda e suspende por 48 meses o direito das empresas venderem o saldo do crédito com o objetivo de proteger o Tesouro Estadual.

“O primeiro crédito moeda é de 2006, foi criado para a Caoa, montadora da Hyundai)”, disse Aidar em entrevista ao Diário de Goiás.

“Os casos emblemáticos ocorridos no estado de foram os créditos-moeda concedidos à Caoa, Pif Pai e Superfrango. No ano passado, essas empresas transferiram o crédito moeda para a Celg, sem qualquer relação comercial entre os contribuintes e a Celg”, relatou o deputado.

Levantamento feito Aidar aponta que as empresas que utilizaram do crédito-moeda foram a HPE-Mitsubishi/Suzuki Automotores do Brasil; Caoa Montadora; São Salvador Alimentos/Superfrango; Pif Paf, Heinz do Brasil; Stemac; Can Pack Brasil; SVB Automotores; FMB Máquinas e Implementos; HNK BR Indústria de Bebidas; e Novo Mundo Móveis .