Justiça autoriza prisão de 13 acusados de fraudes em falência de empresas; Construtora Borges Landeiro está envolvida

Treze mandados de prisão – sete preventivas e 6 temporárias –, além de 26 mandados de busca e apreensão, e 26 ordens e mandados de sequestro de bens estão sendo cumpridos nesta quinta-feira (21) pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). O MP não revelou os nomes dos acusados.

As ações fazem parte da Operação Máfia das Falências, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, com apoio das Polícias Militar e Civil e dos Gaecos de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Entre os pedidos de sequestro de bens existem propriedades rurais no montante de R$ R$ 500 milhões.

De acordo com informações do MP-GO, a operação desarticula uma organização criminosa especializada em fraudar credores e na lavagem de capitais, antes, durante e depois de falências e recuperações judiciais. A investigação começou há cerca de oito meses e, em sua primeira etapa, abrange crimes cometidos antes e durante a recuperação judicial do grupo empresarial Borges Landeiro. A construtora está em recuperação judicial desde novembro de 2017, ocasião que declarou uma dívida de R$272,024 milhões.