O Popular: crise do coronavírus deve provocar queda de até 25% na arrecadação dos municípios; Goiânia é a cidade que mais vai perder

Com a crise instalada pelo novo coronavírus, que deve durar pelo menos até julho, a previsão da Federação Goiana dos Municípios (FGM) é de uma queda média de 25% na arrecadação das cidades de Goiás entre abril e setembro. Levando em consideração a receita dos municípios em 2018, último com dados atualizados de todas as 246 cidades do Estado, isso resultaria numa retração de aproximadamente R$ 2,6 bilhões nesses meses, em valores atualizados pela inflação do período. Goiânia é a cidade que mais perderá em Goiás.

Uma explicação para isso é a de que 44,13% de toda a arrecadação dos municípios em 2018 foi composta pelo Fundo de Participação dos Municípios (FPM), pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e pelo Imposto Sobre Serviços (ISS). Dos R$ 20,7 bilhões arrecadados pelas cidades em 2018, R$ 9,1 bilhões vieram desses dois impostos e do fundo.

A redução na arrecadação com os dois impostos deve ocorrer devido às medidas de contenção do avanço da doença adotadas por todas as esferas do Poder Público, seguindo orientações das autoridades de saúde internacionais, como o fechamento, por exemplo, de polos comerciais, bares e restaurantes e feiras. Novo decreto do governo estadual prevê também o fechamento de indústrias, com exceção dos setores alimentício e farmacêutico.