Absurdo: Estado negocia custeio do transporte coletivo na Grande Goiânia ao custo de R$ 90 milhões

O governo estadual e o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET) negociam a retomada da operação com 100% da frota do sistema metropolitano de transporte coletivo.

A proposta do SET é absurda: a entidade quer que o Estado arque com os custos totais da operação, enquanto que as concessionárias abririam mão do lucro até o mês de outubro deste ano e exerceriam o serviço de acordo com a demanda do poder público.

A projeção é que isso custaria cerca de R$ 90 milhões aos cofres públicos –  ou seja, R$ 90 milhões de dinheiro do contribuinte.

Três reuniões já foram realizadas desde a última semana, mas o acordo ainda não foi fechado.

Um novo encontro deve ocorrer no início da próxima semana e as partes estão “otimistas” quanto a chegar a um consenso.