AD

Prefeito de Aparecida propõe funcionamento escalonado de atividades econômica em live com o governador

No início da noite desta segunda-feira, 18, o prefeito Gustavo Mendanha falou com o governador Ronaldo Caiado e prefeitos do estado sobre as medidas tomadas em Aparecida de Goiânia no enfrentamento à pandemia do Coronavírus. O diálogo ocorreu por meio de videoconferência. Na ocasião, Gustavo explicou que na cidade todas as ações são decididas coletivamente pelo Comitê Municipal de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19, com base em critérios científicos e recomendações da Organização Mundial da Saúde. Dentre as iniciativas, ele destacou a análise técnica sobre a taxa de ocupação dos leitos hospitalares públicos para tratamento da doença, o aumento da testagem de pacientes com sintomas e a proposta de escalonamento do funcionamento do comércio por atividade econômica.

Sobre essa proposta apresentada, o prefeito Gustavo Mendanha explicou que após quase um mês de flexibilização de 80% das atividades comerciais o município analisa a possibilidade de escalonamento do funcionamento dessas atividades. De acordo com ele, a ideia é que a cada dia da semana abram-se determinados tipos de comércio, ampliando desta forma o distanciamento social e evitando a aglomeração de pessoas nas ruas como Independência, Igualdade, Bela Vista, Santana, São João, São Paulo, Rudá, Tapajós e Magueiras, dentre outras. “Uma empresa abre cinco dias da semana e fecha dois”, exemplificou Gustavo.

Há ainda a discussão no Comitê para o fechamento das praças e parques e sancionar uma lei para multa caso as pessoas não usem máscaras nas ruas, que já é obrigatório. “De nada adianta cobrar apenas dos comerciantes e empresários. É preciso que as pessoas tomem consciência da doença, do perigo da covid-19, evitando aglomerações e festas em casa e fiquem atenta às medidas de higiene e prevenção. Pensamos em cobrar multa de pessoas que não estiverem de máscara e reverter esse dinheiro para a compra de cestas básicas”, pontuou ele, destacando ainda que se caso os leitos de UTI exclusivos para tratamento do Coronavírus cheguem a 70% de ocupação, a prefeitura pode fechar novamente o comércio. “Vamos continuar com a flexibilização, mas se não atentarem às regras podemos fechar tudo para preservar vidas”.

Gustavo também lembrou que na última semana reforçou a estrutura hospitalar da cidade no combate à pandemia ao entregar 20 novos respiradores e monitores ao Hospital Municipal de Aparecida (Hmap): “Aparecida tem se preparado diariamente para combater a pandemia do Coronavírus. Para isso, disponibilizamos 123 leitos hospitalares exclusivos destinados ao tratamento da doença, sendo 63 de UTI e 60 semi-UTI. Do total de UTIs, até o momento, apenas 4% estão ocupadas”.

Além do aumento do número de leitos, o prefeito destacou o aumento da testagem para diagnóstico da doença. Segundo Gustavo, a contratação de um laboratório particular permitiu que a Prefeitura saltasse de 15 testes semanais para mais de 300. “São exames do tipo RT-PCR, que é considerado o melhor para esse diagnóstico. Eles são realizados nas três UPAs do município mediante pedido médico. Nosso intuito é fazer 300 testes por dia. E também estamos realizando testes rápidos domiciliares em larga escala em diversas regiões da cidade”, pontuou o prefeito.

O gestor explicou que esses testes rápidos identificam pessoas que já tiveram contato com a doença e desenvolveram anticorpos. Gustavo informou que com o apoio da Universidade Federal de Goiás (UFG), a Prefeitura aplicou o exame e questionários em 1,2 mil moradores com o objetivo de mapear a doença no município. “Com os resultados dos exames e de questionários socioeconômicos aplicados, a SMS terá condições de aprimorar e traçar novas medidas para combater a pandemia. O resultado da primeira etapa deve sair até o fim desta semana”, alertou.

Gustavo Mendanha enfatizou ainda que juntamente com essas três medidas apresentadas, a gestão municipal intensificou a fiscalização das áreas comerciais. Segundo ele, cerca de 400 agentes públicos estão conferindo se comerciantes e clientes estão atendendo determinações que têm como objetivo prevenir o avanço da Covid-19. Entre as medidas estão uso obrigatório de máscara, disponibilização de álcool gel e atendimento reduzido de pessoas para evitar aglomerações.

“Enfim, nossos três gatilhos para fechamento das atividades comerciais e isolamento das pessoas são: a taxa de ocupação dos leitos hospitalares chegar a 70%, hoje estamos com 4% como disse anteriormente; taxa do aumento diário de casos, mesmo com a média da ampliação da testagem, hoje é de 7 a 12 casos por dia e a taxa de isolamento social, que hoje é de 36%, mas com as medidas de fechamento de praças, parques e escalonamento-rodízio, queremos atingir os 50%, que é o mínimo recomendado pela OMS”, finalizou Gustavo Mendanha.