Prefeito de Aparecida debate estratégia de enfrentamento ao coronavírus com especialistas do Sírio-Libanês e da UFG

A prefeitura de Aparecida reuniu nesta terça-feira (16), por meio de videoconferência, diversos especialistas para debater as estratégias adotadas pela cidade para combater o Coronavírus. Dentre eles, o diretor do Hospital Sírio Libanês, Paulo Chapchap, e a médica infectologista da Universidade Federal de Goiás (UFG) Cristiana Toscano, que integra equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que desenvolve vacina contra a Covid-19.

Intitulado “O modelo de Aparecida no enfrentamento à Covid-19, o webinário, mediado pelo prefeito Gustavo Mendanha e realizado pela aplicativo Zoom, sendo também transmitido pelas redes sociais da prefeitura, contou ainda com a participação de jornalistas, empresários, representantes de organizações sociais e civis e a população em geral.

Durante a apresentação, o secretário municipal de Saúde, Alessandro Magalhães, que também preside o Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19 em Aparecida, apresentou as medidas adotadas logo no início da pandemia para conter a disseminação do vírus. O gestor apontou aos presentes na sala virtual que a administração se capacitou para o enfrentamento investindo na ampliação de leitos hospitalares, na testagem em massa e na capacitação dos servidores, principalmente aqueles que estão na linha de frente da força-tarefa.

Entre as ações realizadas pela Secretaria de Saúde de Aparecida (SMS) desde março deste ano, estão a capacidade de testagem ampliada de 15 testes semanais para mais de 300 testes diários que mensuram a transmissão da Covid-19 no município, além de 1,2 mil testes feitos mensalmente através de pesquisa por amostragem nos domicílios. “E mais: como medida preventiva, assim que a OMS declarou a situação de pandemia, em março, a gestão agiu imediatamente determinando o fechamento das atividades econômicas não essenciais na cidade por 30 dias ininterruptos”, sublinhou Alessandro Magalhães.

O secretário explanou, ainda, que em abril, quando estudos técnicos da UFG e do Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao novo Coronavírus apontaram o controle da epidemia na cidade como estável, a Prefeitura de Aparecida autorizou a reabertura responsável de 82% das atividades do comércio local. Àquela altura, o Hospital Municipal de Aparecida (HMAP), que virou referência no tratamento de Covid-19 na cidade, já contava com mais 90 leitos novos exclusivos para pacientes com coronavírus.

“Hoje temos no Hmap 50 leitos de UTI com respiradores mecânicos e 60 leitos de semi-UTI. Há ainda outros 13 leitos de UTI com respiradores no Hospital Garavelo, conveniado. Esses leitos estão disponíveis para usuários do SUS”, disse o secretário, salientando, ainda, que agora em junho foi colocado em prática um modelo de escalonamento regional por macrozonas que tem como objetivo aumentar o isolamento social, que hoje é de 36%, para 50%, que é o recomendado pela OMS, e tem obtido a adesão de 98% dos comerciantes.