Processado por Witzel, Doria, Cunha e MBL, Nassif denuncia perseguição da Justiça contra jornalistas

“Tempos atrás escrevi sobre a tal Fundação da Lava Jato de Curitiba e seus propósitos políticos. Mostrei que seria possível montar uma banca com pouco investimento, posto que o MBL dizia ter gasto R$ 5 milhões na campanha”, afirmou.

“Apenas isso. Bastou para que o bravo MBL me acionasse, sob o argumento de que teria afirmado que a Lava Jato o estaria financiando – um caso nítido de dificuldade de interpretação de texto. No texto, sequer avancei em ilações sobre as incontáveis dúvidas acerca do financiamento do MBL. Mesmo assim, uma bobagem dessas obriga a constituir advogado, a perder tempo escasso”, ressaltou.

Segundo ele, “há uma ofensiva perigosa do Poder Judiciário contra jornalistas que eles consideram adversários ou muito críticos”. “É uma enxurrada de ações, algumas sem propósito, outras com valores descabidos, outras meramente para consumir recursos e tempos”, reforçou.

“Em outro episódio, acusei o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel de praticar uma política genocida, pelo estímulo à morte por parte da polícia. Witzel me denuncia para a Polícia Civil, que vem bater à porta de casa. Agora, é alvo de um processo por estímulo ao genocídio”, lembrou o jornalista.

“Em outro episódio, o governador João Dória Jr entra contra um colunista, aciona o GGN e pede R$ 50 mil de indenização. Por conta própria, o juiz aumenta para R$ 100 mil”.

Ele salientou, entretanto, que cumpriu com sua “obrigação jornalística”, denunciando o ocorrido “e o resultado foram mais duas ações judiciais, uma civel, outra criminal”. E ainda lembrou que foi condenado a pagar R$ 20 mil reais por “difamar” Eduardo Cunha.

“Há um lawfare em andamento, implodindo o direito à informação e a visão seletiva da mídia não é em defesa do jornalismo, mas apenas a defesa corporativa dos seus”, concluiu.