Unidade do Hemocentro em Porangatu passa a produzir plaquetas no norte do Estado

A Unidade de Coleta e Transfusão (UCT) de Porangatu iniciou nesta semana a produção de plaquetas na região norte de Goiás. Segundo a diretora-técnica da Hemorrede Pública de Goiás, Ana Cristina Novais, com a oferta deste serviço, o banco de sangue, que atende unidades de saúde públicas de 13 municípios da região, passa a garantir mais agilidade no atendimento e redução de custos no transporte desse tipo de hemocomponente.

“Desde que o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech) assumiu a gestão da Hemorrede temos investido fortemente na qualificação e adequação das unidades do interior. Em novembro de 2019 fizemos a entrega da UCT de Porangatu totalmente reformada, contratamos e treinamos novos profissionais e agora adequamos a unidade para a produção de plaqueta randômica, um ganho para a população de toda a região”, afirma.

Ana Cristina ressalta a importância da mobilização da comunidade para ir até à UCT de Porangatu fazer a doação de sangue, de onde serão extraídas as plaquetas e demais hemocomponentes. “As plaquetas têm uma vida útil bem menor do que os demais hemocomponentes, por isso, é muito importante que quem está apto para doação seja um voluntário. Para se ter uma ideia, enquanto o concentrado de hemácias tem validade de 35 a 42 dias, no caso das plaquetas esse prazo cai para cinco dias”, destaca.

A diretora explica que as plaquetas são utilizadas no tratamento de doenças como dengue, Covid-19, além de acidentes, quimioterapia e intervenções cirúrgicas. Ana Cristina também chama atenção para alta demanda para esse tipo de hemocomponente. Segundo ela, para atender um único paciente com plaqueta randômica são necessários oito doadores, podendo chegar facilmente a 20 doadores em média, dependendo da complexidade.

Agendamento

Desde o mês de maio, a UCT de Porangatu passou a oferecer o serviço de agendamento das doações de sangue pela internet, no endereço agenda.hemocentro.org.br e pelo telefone (62) 3307-3843.

Ana Cristina destaca que o agendamento é uma medida para evitar aglomerações, como ação de segurança para o doador diante da pandemia de Covid-19. Além disso, a Hemorrede Pública de Goiás adotou todos os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS) e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) para segurança dos doadores em suas unidades.

Quem pode doar?

Os requisitos básicos para passar pela entrevista pré-doação de sangue são: estar saudável, ter peso acima de 50 kg, apresentar documento com foto válido em todo o território nacional e idade entre 16 e 60 anos, sendo que antes de completar 18 anos é necessária uma autorização dos pais ou responsáveis. A orientação é que doadores acima de 60 anos, fiquem em casa, visto que são pessoas do grupo de risco do novo coronavírus. Quem tomou a vacina da febre amarela deve aguardar 30 dias para fazer uma doação. Já para vacina contra gripe, o prazo é de 48 horas. Pessoas que tiveram contato com pacientes infectados ou com suspeita de Covid- 19 devem ficar 14 dias sem poder doar, já para quem foi considerado caso suspeito ou confirmado, o prazo de inaptidão é de 30 dias após a remissão dos sintomas.