Eliane Cantanhêde, da Folha de S.Paulo: “Jornais não elegem ninguém”

Ao analisar pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial, a jornalista Eliane Cantanhêde, a poderosa colunista da Folha de S. Paulo, descarta a influência da mídia impressa no processo eleitoral. Segundo ela, jornais “não elegem ninguém”.

Confira o texto da jornalista:

 O foco está em Campos 

BRASÍLIA – Era mais do que previsível que Dilma disparasse no Datafolha. Além dos méritos pessoais e da aprovação do governo, ela está todo dia no horário nobre, até ao lado do papa ou dizendo que “Deus é brasileiro”. Não há quem resista.

Também era previsível que Marina Silva, a novidade de 2010, começasse a recuar para um patamar mais compatível com a sua expressão política e partidária. Pode sair menor de 2014 do que saiu de 2010.

O que não era previsto? Que Aécio Neves, do principal partido de oposição, caísse dois pontos, em vez de avançar. E que Eduardo Campos, por enquanto mero personagem de bastidor e de jornais (que não elegem ninguém), chegasse a 6%.

É pouco? A um ano e meio da eleição, é suficiente para mantê-lo em campo (sem trocadilho), gerando curiosidade e expectativa. Em março de 2009, Serra tinha 41% e Dilma, 11%. Estava “em construção”, como Campos agora -mas sem Lula.

Enquanto começa a aparecer nas pesquisas, Campos arma seu jogo. A aproximação de José Serra é coisa de mestre, pois cria uma ponte para tucanos e para aliados que foram serristas em 2010, mas não atravessaram o Rubicão e viraram aecistas em 2014. (Note-se, aliás, que Serra não irá à pajelança dos tucanos paulistas para Aécio amanhã. Viajou.)

Se abre pontes na oposição, com PPS e dissidentes do PMDB, o movimento de Campos deixa no ar o mergulho de diferentes partidos nas águas de Dilma. A lista cresce: PTB, PDT, PR, PP. Nem ministério garante apoio desde já, só promessa.

Um fator importante de 2014 é o PSD. Há principalmente dilmistas no partido de Kassab, mas aumentam os simpatizantes de Campos. Daí adiarem o casamento de papel passado com o PT e Dilma.

Mas, se Dilma cresce e Marina e Aécio recuam, Campos não está tirando votos da favorita, apenas reposicionando a oposição. Pode alterar um eventual segundo turno, não ainda o resultado da eleição.