Em manchete principal de primeira página, O Popular questiona proposta dos deputados novatos de 70 dias de férias remuneradas por ano

A Assembleia Legislativa do Estado de Goiás parece não ter conserto e nem mesmo o sopro da renovação com a eleição de 15 deputados novatos e a formação de um bloco entre eles, nesta Legislatura recém iniciada, parece ser capaz de ajudar na moralização do Poder.

Pior: os 15 deputados novatos (todos da base do Governo) estão mostrando que não têm compromisso com a busca de um novo padrão de eficiência para a Casa. Eles se uniram e apresentaram um projeto maroto que, a pretexto de reduzir os atuais e absurdos 90 dias de recesso, na verdade garante 70 dias de férias remuneradas por ano para cada parlamentar.

Nesta quarta, a manchete principal de O Popular questiona os nossos deputados estaduais e pergunta por que eles não adotam um recesso semelhante ao do Congresso Nacional? – onde o Senado e a Câmara só fecham as portas durante uma soma total de até 55 dias por ano (há anos em que o recesso, em Brasília, não passa de 45 dias).

“Por que não 55 dias, deputado?”, pergunta a manchete garrafal do jornal, explicando que, quando se trata de vantagens salariais, os parlamentares goianos gostam de alegar que seguem as decisões do Congresso Nacional, mas, quando se trata da folga anual, eles fazem questão de se desconectar do Legislativo Federal.

[vejatambem artigos=” 44241,44317,44273,44267… “]