Condenação em 2ª instância, por colegiado de juízes, e mais 10 processos por improbidade administrativa são obstáculos para a candidatura de Maguito a governador em 2018

Badalada na imprensa e também entre os políticos goianos, a candidatura do ex-prefeito de Aparecida Maguito Vilela a governador, em 2018, não passa de uma miragem – por enquanto.

É que Maguito está incurso na Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado em 2ª instância, com sentença assinada por 3 desembargadores, em um processo de improbidade administrativa. Trata-se de uma denúncia do Ministério Público Estadual, que descobriu um contrato fraudulento de aluguel, assinado por Maguito, lesando a Prefeitura de Aparecida.

Como se sabe, quem tem condenação em 2ª instância, exarada por um colegiado de magistrados, está impedido de registrar candidatura a qualquer cargo eletivo, segundo as disposições da Lei da Ficha Limpa.

Mas tem mais; Maguito ainda responde a 10 processos por improbidade administrativa, todos relacionados com a sua gestão em Aparecida, que vão desde fraude em licitações até a aquisição de bens a preços superfaturados. Todos a partir de denúncias do Ministério Público Estadual, acatadas pelo Poder Judiciário.

Com uma ficha suja dessas, candidatura em 2018 é sonho de uma noite de verão.