Com apenas um voto contrário, médicos reafirmam em assembleia decisão de não assinar contratos com Iris

Aconteceu na noite de quinta-feira mais uma assembleia do movimento “Médicos Unidos pela Saúde”, que exige da prefeitura de Goiânia condições mais dignas de trabalho para a categoria. Os médicos reafirmaram a decisão de recusar os termos do contrato oferecido pelo prefeito Iris Rezende (PMDB) em votação quase unânime. Apenas um profissional presente votou a favor da suspensão do movimento.

A assembleia aconteceu no auditório do Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) e foi coordenada pelo presidente do sindicato dos médicos (Simego), Rafael Martinez. O movimento nasceu há oito dias, depois que Iris demitiu 480 profissionais credenciados com uma canetada só e divulgou novo edital, sugerindo salários menores e precarizando o vínculo empregatício da prefeitura com os médicos.

Clique aqui para entender porque a categoria não aceita o novo contrato oferecido por Iris e pela secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué.