Se descumprida, promessa de entregar Mutirama em 24 de outubro pode ser a gota d’água para demissão de Alexandre Magalhães

O presidente da Agência de Turismo e Lazer de Goiânia (Agetul), Alexandre Magalhães, pode ter assinado a sua carta de demissão neste sábado, com a entrevista ao jornal O Popular em que diz que vai reabrir o parque Mutirama no dia 24 de outubro. Ou seja, apenas três meses depois da tragédia que deixou 11 feridos e em meio a denúncias de corrupção no Parque cada vez mais graves, formalizadas pelo Ministério Público.

O blog Goiás 24 Horas concorda com o editorial publicado pelo jornal O Popular e também não acredita que será possível reabrir o parque em tão pouco tempo. Se o fizer, será nas coxas, de afogadilho. Fazemos nossas as palavras do Popular: “Trata-se de uma tarefa importante demais para ser feita com pressa”.

Alexandre já aprontou de tudo na prefeitura. Sabe-se lá porque Iris ainda o mantém no cargo. Ele foi acusado pela servidora Larissa Carneiro de ser o líder de um esquema de desvio de dinheiro do parque Mutirama que teria favorecido também os vereadores Anderson Sales Bokão, Jair Diamantino e Kleybe Morais, todos do seu partido. Larissa foi presa pela Operação Multigrana e aceitou os termos de delação premiada.

Larissa afirma que era orientada pelo próprio Alexandre a adulterar as planilhas de ingresso do Mutirama e a triturar os bilhetes que sumiam da contabilidade. O dinheiro desviado, segundo ela, era usado para pagar combustível e viagens para Alexandre, além de materiais que os vereadores pediam. Estes materiais foram anotados em contabilidade paralela com a rúbrica de “bola”, “rede”, etc. Ela relatou ainda ter sido orientada a pagar, em uma determinada ocasião, R$ 500 a Kleybe.

Ou seja: Alexandre está em débito com todo mundo. Se faltava algo para ele ser demitido, o descumprimento da promessa de inaugurar o parque no dia 24 de outubro é um ótimo pretexto.