Goiânia é refém de duas máfias: a do transporte coletivo e a dos postos de gasolina

Há anos Goiânia é dominada por dois grupos que submetem os cidadãos (com um força oculta muito expressiva) aos seu caprichos. As máfias do transporte coletivo e dos postos de gasolina reinam absolutas na Grande Goiânia e as autoridades conseguem ter pouca, ou quase nenhuma ascendência, sobre essas estruturas.

No transporte, as empresas acabam de conseguir mais um aumento no preço da passagem. De R$ 3,70 passou para R$ 4,00. Elas sempre alegam que estão quebrando e fechando as portas, mas desistem das concessões. Também se recusam a mostrar as planilhas de custo. A passagem de ônibus agora é uma das mais caras entre as capitais. Cidades bem maiores conseguem ter um preço mais justo para o usuário.

Passemos então para os combustíveis. A gasolina de Goiânia é a mais cara do Brasil, custando mais de R$ 4,40. Em algumas cidades vizinhas, como Anápolis, o preço é menor, mas na Capital está sempre nas alturas. Procon, Justiça, Câmara Municipal e outros não conseguem fazer com que a gasolina custe mais barato. O cartel dos postos impera há anos.