Baldy anuncia 22 mil novas moradias para famílias de baixa renda

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, acaba de anunciar a construção de 22 mil novas moradias com recursos do programa Minha Casa, Minha Vida. Os critérios para seleção de propostas nas modalidades Entidades Urbanas e Rurais foram publicados nesta sexta-feira no Diário Oficial. 

Destas 22 mil novas casas que serão construídas, 10 mil são para o atendimento a famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil residentes em áreas urbanas integrantes de grupos associativos e 12 mil para famílias com renda anual bruta de até R$ 17 mil, residentes em áreas rurais.

Os investimentos serão distribuídos por região geográfica, de forma proporcional ao seu déficit habitacional. Diferentemente dos processos anteriores, essa seleção para ambas as modalidades passa a ser contínua, possibilitando a apresentação de propostas junto às Instituições Financeiras a qualquer tempo.

Outra novidade é que a portaria da modalidade Entidades Urbanas trata da criação de uma cota de atendimento para empreendimentos de requalificação ou construção de moradias em áreas centrais das grandes cidades, providas de serviços urbanos e com acesso a sistemas de transporte e oportunidades de emprego e renda.

“Essas ações, mais uma vez, corroboram nossa meta de priorizar os investimentos em habitação, não só por meio da retomada de obras paralisadas, mas também pela oferta de moradia digna àqueles que, infelizmente, ainda não tiveram a oportunidade de realizar o sonho da casa própria. Com isso também estamos contribuindo para a redução do déficit habitacional”, assegura o ministro Baldy.

A Faixa 1 do rograma Minha Casa, Minha Vida, atende famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil, com subsídio de até 90% do valor do imóvel. O restante do valor é pago pelo beneficiário em até 120 prestações de, no máximo R$ 270 mensais, sem juros.

Desde 2009, data da criação Minha Casa, Minha Vida, já foram contratadas mais de 5 milhões de unidades habitacionais, beneficiando mais de 20 milhões de pessoas.

Compartilhe