Iris ignora acordo com MP para chamar concursados da Educação

Venceu na primeira quinzena de junho o prazo do prefeito Iris Rezende (MDB) para chamar pedagogos aprovados em concurso da secretaria de Educação para suprir o déficit causado por aposentadorias, desistências e exonerações.

O prazo havia sido definido em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre Iris e o Ministério Público de Goiás. Vale dizer que a Educação pública da Capital enfrenta crise justamente pela falta de funcionários para manter os Cais e creches em funcionamento. 

Os concursados alegam que a situação nas unidades de ensino pode ser agravada em agosto, já que contratos temporários contam com previsão para acabar e os alunos poderão ficar sem atividades.

O acordo com o MP previa a convocação de ao menos 400 pedagogos e o próprio edital estabelece o preenchimento das vagas desocupadas devido a desistências. Conforme alega a fonte ouvida, 63 aprovados teriam abrido mão das funções, deixando abertas as vagas.