Armação contra Marconi tem efeito contrário: população e militância se revoltam

A operação da Polícia Federal que fez buscas em endereços de Marconi Perillo (PSDB), candidato ao Senado, na última sexta-feira, teve efeito contrário entre a população goiana. A ação, deflagrada a nove dias da eleição, foi considerada como eleitoreira e desleal. Pelas redes sociais, a militância mostrou sua força em apoio a Marconi e repudiou aqueles que tentaram desconstruir a imagem de Marconi Perillo.

Desde a sexta-feira, milhares de pessoas têm compartilhado vídeos e se posicionado nas redes sociais em favor do ex-governador. “Eu não votava no Marconi e vou votar. O que fizeram com ele foi chantagem de verdade e tramoia”, disse o senhor Nezinho.

No sábado, cerca de 4 mil jovens deram demonstração de repúdio à ação deflagrada contra as campanhas de Marconi e do governador Zé Eliton (PSDB), candidato à reeleição. A multidão de jovens se reuniu no Comitê Central da Coligação Goiás Avança Mais, em Goiânia, em ato de apoio ao ex-governador.

“Quiseram tentar mudar o rumo da eleição contra a nossa candidatura, mas o que vejo é que nossa militância puxou para si agora o compromisso da vitória. Minha história foi temperada no aço e não vai ser com factoides que nós vamos arriar. Esse fato tem que nos levar, mais do que nunca, a buscar os eleitores onde eles estiverem. Vamos de cabeça erguida buscar a vitória”, disse Marconi, sob aplausos.

Certo e confiante na história do seu legado e na lisura de seus governos, Marconi manteve sua agenda de trabalho pelo interior. Por onde passou, Marconi também recebeu o apoio e o carinho dos eleitores. Os prefeitos Joaquim Marçal (Orizona), Issy Quinan (Vianópolis) e Zé Faleiro (Silvânia) classificaram a ação como “eleitoreira” e afirmaram que ela foi deflagrada com “o objetivo de atrapalhar a eleição de Marconi, que lidera todas as pesquisas para o Senado”.

Em Orizona, o prefeito Joaquim Marçal (PSDB) disse que Marconi foi o revelador de oportunidades de Goiás, que apresentou o Estado para o restante do Brasil. “Difícil avaliar um fenômeno como o Marconi. Acho que deve passar mais um século para surgir outro Marconi Perillo, que faça o que ele fez para Goiás, que revolucione o Estado como ele revolucionou”, disse.

Em Vianópolis, o prefeito Issy Quinan (PP) ressaltou que, assim como ele, todos os nove vereadores da cidade apoiam e querem Marconi no Senado. “Eu sou extremamente grato pelo companheirismo de Marconi nos últimos 20 anos. Sou grato por tudo que ele fez por Vianópolis”, disse. “Quando nós assumimos o mandato, tínhamos muitos problemas, dificuldade pra todo lado, muitas limitações, mas graças à generosidade e o espírito sensível de Marconi, Vianópolis se transformou num verdadeiro canteiro de obras e a vida do povo melhorou”, disse.

Marconi também se posicionou sobre a ação. Em vídeo postado nas suas redes sociais, na noite de sábado, o ex-governador afirmou que foi uma “operação sem nenhum sentido, nenhum motivo, a nove dias da eleição, um assassinato de reputação”. Nada que possa incriminar Marconi foi encontrado na sua residência em Goiânia e nas outras residências que pertencem a ele.

“Desde 2012, ofereci abertura de todos os meus sigilos. Nunca hesitei em colaborar com a Justiça. E por que, justamente agora, quando sou o líder da corrida pelo Senado, vem à tona um assunto requentado, que já tem oito anos, às vésperas da eleição? Por que justo agora?”.