Tempo real: Fórum de servidores estabelece assembleia geral permanente e aguarda resultado de reunião com Caiado, no dia 17, para deliberar sobre paralisações e greves

A assembleia geral permanente permite que o Fórum de Servidores se reúna novamente logo após o encontro com Caiado para, a depender do resultado das conversações com o governo estadual, definir de imediato uma agenda de manifestações, paralisações temporárias e até greves por tempo indeterminado.

Reunidas em assembleia geral nesta tarde (14) em frente à Secretaria da Fazenda (Sefaz), 47 entidades de representação dos servidores estaduais de Goiás condenaram o calote nos salários de dezembro, rejeitaram a proposta de parcelamento dos salários atrasados apresentada pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) e exigiram o pagamento imediato da folha.

Durante a assembleia geral, as associações e sindicatos fecharam questão em torno da reivindicação, a ser apresentada o mesmo breve possível a Caiado, de que a folha de dezembro seja paga antes da dezembro, junto à definição de um cronograma de quitação dos vencimentos subsequentes.

“Queremos uma saída negociada com os servidores. Entendemos os desafios e dificuldades do novo governo, queremos apoiar a gestão na busca de soluções, mas não podemos aceitar que servidores públicos do Estado de Goiás sejam prejudicados”, disse o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Miliar e do Corpo de Bombeiros de Goiás (Assof), Coronel Anésio Barbosa, eleito porta-voz da assembleia geral permanente.