Inaptidão de Fátima Gavioli agrava crise na Educação em Goiás, criada pelo calote de Caiado

O calote do governador Ronaldo Caiado (DEM) no pagamento de professores e servidores administrativos referente a dezembro já bastaria para colocar a Educação de Goiás em colapso. Ainda assim, a secretária que cuida da área no atual governo, Fátima Gavioli, decidiu dar também a sua contribuição para a crise, na forma de pitadas de inaptidão gerencial.

Gavioli – chamada de “Grazioli” duas vezes pelo governador em um evento na manhã desta segunda – decidiu empreender uma reforma estrutural na rede pública que está deixando milhares famílias em desespero. Como mostrou o Jornal Anhanguera, Gavioli desativou e transferiu alunos indiscriminadamente – e o pior: sem avisar os pais, que nesta segunda chegaram às escolas com os filhos para o início do ano letivo e foram dispensados sem entender nada.

A transferência é trabalhosa para todas as famílias, porque os alunos de modo geral estudam perto de casa ou do trabalho dos pais. Remanejamentos autoritários, como o realizado neste começo de 2019 por “Grazioli”, causam transtornos na vida de todo mundo. 

Um horror.