Imagem diz tudo: na Assembleia, Lincoln Tejota, Lissauer e Celmar Rech conversam animadamente, enquanto Caiado fica a um canto, deslocado

A solenidade de abertura da legislatura 2019-2020 na Assembleia, nesta sexta-feira (15), foi uma espécie de epílogo dos primeiros 45 dias de Ronaldo Caiado (DEM). Entre as inúmeras cenas, algumas chocantes (como a do beijinho, beijinho; tchau, tchau, caiadista,) chamou a atenção o isolamento do governador das grandes rodas políticas que se formaram no Legislativo para a solenidade.

Repare nesta imagem: enquanto o vice-governador Lincoln Tejota (PROS), o novo presidente da Assembleia, Lissauer Vieira (PSB), e o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Celmar Rech, conversam animadamente, Caiado aparece a um canto, deslocado, para variar com sua habitual cara de poucos amigos para os parlamentares.

É o retrato do que se transformou o governador em menos de dois meses de mandato: uma figura isolada, desinteressante e sem brilho. Uma cena deprimente para quem venceu as eleições no primeiro turno com quase 60% dos votos válidos.