Em nota, Caiado tenta consertar estrago causado pelo baile funk no Esmeraldas. Ficou pior, porque ele admite festa particular no palácio

Em nota emitida no final da tarde deste domingo, quase 24 horas depois da festança da noite de sábado no Palácio das Esmeraldas, o governador Ronaldo Caiado emitiu nota para tenta consertar o enorme estrago político causado pelo baile funk na residência oficial. Na nota, ele admite que a festa foi mesmo feita no palácio.

No texto, Caiado apela para a família, discrimina o funk, nega que houve baile e diz que as bebidas alcoólicas que embalaram o remelexo dos convidados foram levadas de sua residência particular para o Esmeraldas. Mais: o governador diz que não foi um baile, mas um almoço.

“Transformar um almoço com alimentos e cervejas que vieram da minha casa em um baile Funk é de uma baixaria inominável”, afirma. “Jamais fiz ‘baile’ nem na minha casa, muito menos em Palácio”, disse o governador na nota.

O que está em questão não é o baile, o funk, a comida ou as bebidas. Também não se trata de guerra política, como o governador diz na nota. Está em discussão a moralidade e legalidade do uso da residência oficial para a realização de uma festa particular, para as filhas e os amigos do chefe do Executivo.

A pergunta que fica é: se as bebidas e a comida foram da casa particular de Caiado para a mesa dos convidados no palácio, por que os convidados não fizeram o caminho contrário e as encontram na residência dele no Setor Oeste? Não teria a mesma graça, é isso?

Leia a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Neste final de semana, eu e minha esposa recebemos nossas filhas, que moram em São Paulo, com seus amigos. Recebê-las é sempre uma alegria. Tenho 30 anos de vida pública honrada, e não vou admitir que minha família seja alvo de uma guerra política.

Eu sempre soube separar o público do privado. Transformar um almoço com alimentos e cervejas que vieram da minha casa em um baile Funk é de uma baixaria inominável (com todo respeito ao Funk como manifestação cultural).

Jamais fiz “baile” nem na minha casa, muito menos em Palácio. Tentar rotular um almoço com minhas filhas e a animação delas por estarem com os pais e amigos numa versão de “baile”, só tem o objetivo de atingir o que há de mais sagrado na minha vida: A Minha Família.

Ronaldo Caiado

Governador de Goiás