Piração I: jornalista critica Procon por questionar aumento do ônibus só depois de sancionado pela CDTC

Só pode dar errado quando um (no caso, uma) jornalista abdica do bom senso e veste o figurino de justiceiro, cobrando tudo e xingando todo mundo em nome do suposto interesse do povo.

A comentarista esportiva Cecília Barcellos, da Rádio 730, está se notabilizando com as derrapadas que dá quando resolve sair da sua especialidade e abordar assuntos que não são da sua alçada.

Hoje, por exemplo, ela atacou o Procon porque o órgão só questionou o reajuste da tarifa de ônibus depois que ele foi sancionado pela Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC).

Há dois erros crassos na sua avaliação. Em primeiro lugar, o Procon não poderia apresentar contestação judicial contra um aumento que só existia no plano especulativo. No plano legal, só passou a existir depois de ratificado pela CDTC.

Segundo: o Procon já estava mobilizado, internamente, antes mesmo de o reajuste ser aprovado. A imprensa noticiou fartamente que o corpo técnico já estava a postos para contestar o aumento quando o reajuste ainda estava restrito aos bastidores.

Essas informações, a propósito, foram veiculadas em várias ocasiões pela própria emissora de rádio onde Cecília trabalha.

Melhor se restringir às análises dos jogos do Vila, companheira.