Bia, do Sintego, sobre fechamento de escolas por Caiado: “Isso é muito absurdo, porque como os profissionais vão complementar a carga horária?”

A presidente do Sintego, Bia Lima, reagiu com dureza ao fechamento de colégios por Caiado.
Em entrevista ao Popular, ela disse: “Isso é muito absurdo, porque como os profissionais vão complementar a carga horária?”

E completou: “Isso inviabiliza o planejamento feito pelo profissional, porque o salário reduz. Se essa modulação gerar redução de carga horária, o salário vai lá embaixo”, diz.
Segundo ela, “a maioria dos professores efetivos da rede estadual hoje, para ter uma remuneração melhor, trabalha no limite possível da carga semanal, que é de 60 horas, o que corresponde a 32 horas/aula”. Ela relata que “em São Simão, cidade que fica a 377 quilômetros de Goiânia, um colégio foi fechado integralmente e em outros foi excluído o turno noturno. Os professores foram obrigados a complementar a carga horária, pegando aulas em locais próximos, como no distrito de Itaguaçu e no município de Paranaiguara. Os custos com transporte não são compensados salarialmente.”